logo

Viradinha Cultural vai se multiplicar em 2016

Secretário Nabil Bonduki comemora o sucesso da 2ª edição do evento mirim, mas já sinaliza que é preciso ter mais espaços para não atrair tanto público num só lugar

Show do Palavra Cantada, de Sandra Peres e Paulo Tatit, atraiu milhares de famílias na 2ª Viradinha Cultural - Fotos: Eduardo Nunomura

Show do Palavra Cantada, de Sandra Peres e Paulo Tatit, atraiu milhares de famílias na 2ª Viradinha Cultural – Fotos: Eduardo Nunomura

O show da Palavra Cantada, na Viradinha Cultural, tinha acabado havia poucos minutos e o secretário municipal de Cultura, Nabil Bonduki, já se antecipava a qualquer pergunta do repórter: “Só uma Viradinha não é bom. Ficar tudo em um só lugar? Se tivéssemos feito três Viradinhas, o resultado seria muito melhor.” O excesso de público na segunda edição da parte da Virada voltada para crianças indica que será preciso, em 2016, multiplicar esses espaços. No mínimo, dois ou três, segundo o secretário.

Sandra Peres e Paulo Tatit cantaram diante de um mar de pais e filhos se espremendo na apertada Rua Doutor Vila Nova, no bairro de Vila Buarque. Depois do show, que estava previsto para o meio-dia mas só começou depois de mais de uma hora de atraso, Sandra afirmou que adorou a experiência, pois o grupo gosta de fazer apresentações ao ar livre, mas sugeriu mudanças. “Pelo número de famílias que comparece, esperamos que no próximo ano a Viradinha seja feita em um dos parques da cidade, com espaços abertos e mais condições para todos aproveitarem”, afirmou.

IMG_20150621_142351A Praça Rotary, onde fica a Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato, foi tomada por famílias, que participaram das inúmeras atividades (apresentações de peças teatrais, contação de histórias, pintura e desenho, fabricação de brinquedos, confecção de fantasias e inúmeras brincadeiras de rua), organizadas pela secretaria e pelo programa São Paulo Carinhosa, coordenado pela primeira-dama Ana Estela Haddad.

A escolha do espaço da Biblioteca se provou correta, segundo Bonduki. O objetivo era distanciar a Viradinha dos outros palcos da Virada, que neste ano foram descentralizados para mais localidades da cidade, porém com uma concentração maior na região central. “A praça estava adequada, temos também o Sesc Consolação ao lado, então se criou um polo ideal para o núcleo infantil da Virada. Vamos agora sentar e planejar como levar a Viradinha para mais locais da cidade”, disse.

Antes do show do Palavra Cantada, duas mulheres tiveram de ser separadas depois de uma briga. Houve filas enormes para comprar comida e bebida. Muitos estacionamentos particulares da região estavam fechados, obrigando as famílias que vieram com carros a ficarem longe da Viradinha. Em alguns momentos, faltou água nos banheiros da biblioteca. Mas o sorriso da garotada compensou qualquer sacrifício.

“Achei que resgata um pouco a infância dos pais, quando tínhamos vários amigos e brincávamos muito na rua”, afirmou a coordenadora de pesquisa Glaucia Aragão. Mãe de trigêmeos de 6 anos, ela e o marido, Lucio, acabaram ficando distante dos palcos na maior parte do tempo. Mas se surpreenderam em ver como é fácil divertir os filhos com as brincadeiras antigas de rua, como pular corda, labirinto e saltar pneus, além de poder encontrar os amigos no evento e fazer com que as famílias todas possam participar. “É muito bacana a gente poder ser inserido nos espaços públicos.”

Brincadeira de fitas na Praça Rotary, onde está localizada a Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato

Brincadeira de fitas na Praça Rotary, onde está localizada a Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato

Editor de FAROFAFÁ, jornalista e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.
  1. Tetê Ribeiro Responder

    Bom, eu fui com minha filha participar, mas achei um pouco de falta de respeito de alguns pais… enquanto da segunda quadra em diante TODO mundo se sentou para poder ver, visto que o palco era longe e baixo e tinha MUITA CRIANÇA inclusive bem pequenas e que adoram o Palavra Cantada, alguns pais que estavam na frente permaneceram em pé, impossibilitando a visão e assim nós que estávamos sentados, nos levantamos e começou o sufoco. crianças pesadas no pescoço de mães baixinhas, outras chorando porque alguém pisou. As pessoas não olhavam para baixo, gente era uma festa para criança. Todos gritavam em coro: SENTA – ou SEM EDUCAÇÂO e os grandinhos nem aí… Achei que a própria dupla fosse pedir aos pais para se sentarem para que todos pudessem assistir, mas não. Muita gente saiu e crianças desapontadas. Podiam fazer no Ibirapuera ano que vem assim podem se sentar na grama caso deixem as crianças assistirem.
    Bom essa foi a minha opnião, mas o evento é muito importante para as crianças confraternizarem e aprenderem novidades.

  2. Mariana Responder

    Nós costumamos ir em eventos como esses, sempre que possível colocamos nossos filhos na rua e abraçamos o que cidade nos oferece.
    A Viradinha foi bem bacana, com atrações de qualidade e que agradavam diferentes faixas etárias.
    O espaço não foi adequado para comportar o número de pessoas, que na sua grande maioria foi até lá para ver o Palavra Cantada, que por sinal fez o pior show do dia, desanimado e quadradinho, quase que como se estivessem fazendo um favor. Já fui em alguns shows da dupla e confesso que nunca tinha visto nada parecido. Isso depois de deixarem centenas de pais e crianças fritando por mais de hora no sol do meio dia, um tremendo desrespeito!
    Me pergunto se vale a pena a prefeitura pagar um artista que faz pouco caso do evento e demonstra tamanha falta de compromisso.
    Acho que teria sido mais proveitoso se eles não estivessem na programação. As pessoas acabariam conhecendo outras coisas, como Banda Mirim e Grupo Triii.

    • Pedro Alexandre Sanches Responder

      Obrigado pelo importante comentário, Mariana!

  3. selma Responder

    Este ano foi a primeira vez que fui ,minha filha se divertiu no espaço brincar,mas de fato estava muito cheio e não dava para ficar muito tempo.
    o show da palavra cantada foi impossível ver muito cheio,mas achei o local da biblioteca de fácil acesso e as atividades estavam lindas.Decoração do espaço estava maravilhosa.
    Mas como trata-se de crianças deveria ter mais opções de lugares de alimentação, próximo do local estava tudo lotado e os locais não estavam adequados para os pais com crianças de colo que precisam de cadeirões e trocadores .
    enfim mal conseguir comer direito com minha filha no colo e ainda tive que andar um pouco para achar um local menos lotado.já que as ruas foram fechadas deveria ter sido reservado um espaço para a praça de alimentação.

    deveria se espalhar mais pelas bibliotecas da cidade os espaços de brincar e de leitura.

    mas no geral foi muito legal!!!

  4. debora Responder

    Não levei minha filha à viradinha porque achei ÓBVIO que a concentração das atrações infantis em um lugar só não ia comportar. Como quem organiza não pensou nisso??!!!

Deixe seu comentário:

*

captcha *