logo

“Não perdoo os músicos que têm a musicalidade e não exploram”

Hermeto no dia em que completa 81 anos, 22 de junho de 2017 - Foto Filipe Vianna

Hermeto no dia em que completa 81 anos, 22 de junho de 2017 – Foto Filipe Vianna

A música popular brasileira nem sempre acredita em seus bruxos, mas que os há, os há. Na manhã do dia em que completava 81 anos, 22 de junho de 2017, o multimúsico alagoano de vocação universal Hermeto Pascoal recebeu FAROFAFÁ CartaCapital para uma conversa estimulante que não chegou a durar 60 minutos, mas reuniu conceito e informação suficientes para condensar uma eternidade. Seguem a transcrição integral da entrevista e a edição em vídeo por Filipe Vianna.

Jotabê Medeiros: Você conheceu alguns músicos albinos pelo mundo afora?

HP: Sivuca, né?

JM: Johnny Winter? Aqueles Winters americanos?

HP: Não, nenhum. Eu conheci morando em Curitiba já, andando na rua, um albino, meu fã, baterista. Quem quiser ver muito albino no Brasil…

JM: Tem uma cidade do Nordeste, né?

HP: Não, pera aí, cara (risos), deixa eu responder. Ele quer dizer.

Pedro Alexandre Sanches: É porque ele é paraibano.

HP: É em Caruaru, eu morei três anos lá. Um dia fui pra um aniversário, me convidaram para a festa para me fazer uma surpresa, mas não me disseram nada. Era o aniversário de uma pessoa, não era o meu. Aí fui. Dono da casa: albino. “Oi, tudo bem?” Até aí tudo bem. Esposa: albina. Aí já vi, tem brincadeira nisso aí. Na rua, 90%. Eu tinha 14 anos, não sei se ainda existe, o nome era rua Preta, porque só tinha branco, albino, talvez 90% de albino. Quando cheguei foi uma festa, né? Era tanto albino se abraçando, que engraçado, nada do lance que quiseram criar, de uma coisa meio preconceituosa, como se o albino tivesse sofrimento só porque é albino. Pra sofrer não tem cor, pra ser feliz e pra sofrer não tem cor. Esta cor aqui, o albino, meu corpo ser assim para mim é uma dádiva também. Meu carma na Terra que Deus me deu é ser assim, de eu estar falando com vocês agora, com meus 80, que é pouco. Eu acho, modéstia à parte, que pessoas como eu deveriam viver muito, pessoas que fazem muita coisa aqui. O ser humano não devia viver menos de 200 anos (risos). O cara é um escritor, um músico, um jornalista, faz um sucesso danado. Muitos com 70 anos já começam a ficar debilitados. O cara parece que já começa a pagar os pecados porque fez uma coisa linda pelo mundo. Isso acontece com religioso, com todo mundo. Já falei com Deus, ele me garantiu: “Olha, antes de você vir para cá já vou garantir, só não posso te dar jeito agora porque realmente o teu carrinho tem pouco tempo aí…”. “Mais 50 anos?” “Não, 40.”

PAS: Como é Deus, Hermeto? É albino?

HP: Deus é tão maravilhoso que ele é como a gente imagina. É mentira que Deus é uma fisionomia só. Existe a cor, existe a diferenciação de pessoas. Mas ele diz logo: chamem vocês aí de diferente, mas o meu diferente é semelhante, é a semelhança. Quando as pessoas acharem as coisas diferentes aí na Terra é que está havendo as brigas. O orgulho, a coisa da pessoa querer ser mais rica do que o outro, ver um mais pobre e ter 500 vezes mais do que ele, não dar uma casa pro cara sem querer aparecer, sem demagogia. Nem como obrigação, com amor. Por causa desse negócio da diferenciação vem o orgulho, vem tudo que vem. Aí é o que eu digo, se a gente vivesse 200 anos e desse pra acertar, ia dar tempo até pra se acertar o errado de tudo. Ou quem não acertasse ia pegar mais anos de carga, ia sofrer mais e envelhecer também, essa é a vida. Mas tudo bem. Eu estou muito feliz com o que estou fazendo até hoje, estou muito feliz. Eu faço o que mais gosto, o que mais amo, que é a música. E através da música eu amo, eu sei amar as pessoas, sei sentir as pessoas. Tudo eu ponho o sentir na frente. Nada de querer saber, de querer ter cura de uma coisa sem ter esperança. Ninguém pode pular a esperança pra ter a fé, e nem ninguém pode pular o sentir pra ter o saber, pra querer o saber. Quando é, é egoísmo. É isso que atrapalha o mundo. As pessoas estão muito apressadas. Estão querendo saber antes de saber se quer mesmo aquilo.

JM: Que nem eu, que queria saber dos albinos antes de você dizer…

HP: Você não teve paciência. Mas é uma coisa boa. É uma coisa que você já sabia.

JM: Já tinha ouvido falar.

HP: Só queria confirmar. Até aí tudo bem.

JM: Mas eu não vi com estes olhos. Você viu. Você bateu na porta lá.

PAS: Nos anos 1960 você foi tocar para a Rhodia, e dizem que não quiseram que aparecesse junto aos outros artistas por causa da sua aparência, imagino que pelo fato de ser albino.

HP: Foi, foi. Na Rhodia foi um negócio muito maravilhoso. Eu não acho uma coisa ruim. O rapaz que era o presidente da Rhodia, hoje já está lá onde Deus quer, não vou dizer o nome dele porque também ninguém conhece, não adianta. Estava lá tocando com Geraldo Vandré.

PAS: Quarteto Novo?

HP: Era Trio Novo. Na Rhodia foi o Trio Novo. Foi o Trio Novo pra lá. Vandré fazia um negócio, depois entrava o Trio Novo só pra tocar nos desfiles. O Quarteto Novo nem estava formado, o líder dessa época era o Cido Bianchi, um grande pianista, grande músico. Ele é que trabalhava na Rhodia e convidou essa turma, Airto Moreira, batera, piano, vibrafone. E eu fui convidado também pra… Mas quando o rapaz, o Lívio, me viu…

PAS: Falou o nome (Hermeto se refere a Lívio Rangan, então responsável pelo marketing local da multinacional francesa)…

HP: …Ele disse que eu era feio.

PAS: Disse que era feio?

HP: Disse que estava muito feio, destoante pro desfile. Aí o pessoal insistiu, pra ele pelo menos ver como era eu tocar. Pra resumir: eu toquei e ele acabou consentindo. Aí já pedia pra os fotógrafos na hora H ficar passando por mim só. Menino. Tinha um monte de coisas, às vezes a gente tinha que se vestir, cada um escolher uma coisa pra vestir pra um desfile, pra poder estar vestido a caráter, com as roupas que a Rhodia estava apresentando. E ele encantado com aquilo, com os tecidos, e principalmente com as coisas que estavam dentro dos tecidos.

PAS: Foi modelo antes de Gisele Bündchen

HP: Peraí. Agora é o cara. Olha o papo do cara. Já vai adiantar, então veio me entrevistar pra quê, ô, coisa (risos)? Calma, eu estou fazendo uma arredondanciazinha bonita. Fiquei tocando, nossa senhora, eu agradava demais na hora do meu solo. Eu vestia as roupas, e esse cara começou a se agradar do meu jeito. Na época eu tinha o cabelo compridão. Fui pros Estados Unidos, voltei com o cabelo por aqui, chego na Rhodia, com um mês ou dois vem o convite pra mim, pra ser o quê? Agora você vai dizer, que você adiantou. Pra ser o quê?

PAS: Modelo.

HP: Modelo. Modelo da Rhodia, meu amigo.  O que que você diz disso? Pra ser modelo da Rhodia! Aí já notei que já vem o lado abichaiado (risos), o cara querer que eu vou fazer modelo? Abichaiado que eu falo, não estou criticando os bichas, não, sabe?, porque eu tenho meu pouquinho também de bicha.

PAS: É mesmo?

HP: Eu só não dou, mas eu tenho um pouquinho de bicha. Então o que acontece? Veio ele pessoalmente, e já me pediu desculpa pelos mal-entendidos. Pra ele era mal-entendido. Aí eu digo: “Não, que é isso? Eu me amo. Eu me amo, eu me amo, não adianta me falarem nada que não gostam”. Eu só faço o que eu gosto. Não aceito fazer o que eu não gosto, pode me dar um mundo de dinheiro. E o dinheiro quer que você faça isso, porque o mal do mundo é o dinheiro. Claro que eu não aceitei, que eu não tinha tempo, estava na fase jovem, na fase de estudar mais e tocar cada vez mais, já com meus filhos e tudo. Bom, pra resumir, não aceitei e continuei, toquei até a hora que tinha que parar o desfile. Aí partimos pra um disco, continuamos na Rhodia, partimos pra um disco com Cido Bianchi, com esse pessoal que te falei. Fizemos um disco que até hoje tem na praça, Octo, Octo não sei de quê…

Brazilian Octopus (1970)

O disco único do Brazilian Octopus (1970), sem Hermeto na capa

PAS: Brazilian Octopus.

HP: Isso. Está todo mundo procurando esse disco.

JM: É raro.

HP: A qualidade do disco é como se tivesse sido feito hoje, todo mundo maravilhoso, todo mundo tocando bem. Foi nisso que deu a Rhodia. Então você vê, quando a gente quer as coisas a gente… Parei? Não parei, porque, primeiro, as pessoas que tocavam eram importantes, eram músicos bons também. Eu continuei com o disco. Já pensou se eu me entrego?, “então vai embora”, eu vou-me embora. Não, isso aí é uma fraqueza de cada um, não é porque o cara é presidente de uma coisa dessa aí que ele não tem o seu lado da fraqueza, que é coisa que todos nós temos.

JM: Tem uma história que contaram de você, quero saber se é verdade, que você foi pros Estados Unidos e o Tom Jobim começou a tocar no som ambiente, “Garota de Ipanema”, e ele falou pra você que não aguentava mais ouvir “Garota de Ipanema”. É verdade isso?

Em “Tide” (1970), Hermeto toca flauta na faixa “Tema Jazz”

HP: É, eu contei na época que ele me falou, isso aí foi quase 1970. Eu fiquei surpreso na época, porque ele estava no auge. A bossa nova estava no auge. Pra tocar em elevador é porque a música fez um… Eu ia subindo no elevador com ele, pra ensaiar com ele e com Eumir Deodato, que era o arranjador dele na época, ainda mora nos Estados Unidos. Eu fui justamente pra tocar uma flauta baixo no disco dele, que o Tom me convidou. Ele gostava muito do som da flauta baixo, tanto que tem um filho que é flautista também, e bom flautista. Fui subindo, quando vejo ele tira aquele chapéu dele, nervoso, nervoso mesmo. Porque a intenção que ele tinha da bossa nova era que ela fosse uma música num nível de estar tocando nos teatros, nos lugares. Mas aí os culpados maiores são os parceiros dele, não era ele. Por isso que ele falou. Ele falou pra uma das pessoas que ele sentia a música que aquela pessoa fazia, que era eu, com o Quarteto Novo. Ele era muito fã do Quarteto Novo. Ele falou no elevador: “Eu queria fazer um som parecido como aquele do Quarteto Novo”. Ainda bem que o elevador demorou, eu gostei que demorou, porque eu pude dizer pra ele assim: “Você mora nos Estados Unidos. Tem uma experiência que eu tenho, de quando eu saio do Brasil e demoro um pouco. Se eu demorar dois meses fora do Brasil, já começo a sentir falta do Brasil. Agora, Tom, quando a gente fala Brasil a gente fala no povo. A gente não fala nas coisas pessoais, nada disso, não”. O Tom é o seguinte, pra mim é um músico sensacional, a musicalidade do Tom Jobim, é só a pessoa ter a percepção pra isso. Porque quando o cara é como ele é, ele faz uma coisa… Ele queria evoluir mais, como eu fiz com o forró.

PAS: O que você fez com o forró, Hermeto?

HP: Se você pergunta o que eu fiz com o forró, você está fora do mundo.

PAS: Quero ouvir de você…

HP: Não, eu estou brincando, ah, bom, agora se expresse, diga antes.

PAS: Só estou levando bronca (risos).

HP: Não é bronca, é lida. Meu filho, eu estou brincando com você, deixa eu brincar também um pouco.

PAS: Deixo, deixo, é que você foi da bossa nova pro forró, e o Hermeto é tudo isso, né?

HP: É porque a harmonia, a base de harmonia, a base de você não tocar um forró o tempo todo, com aquele mesmo ritmo só. Forró não é um ritmo só. Forró tem variedades. É como eles falam, o jazz não é música, o jazz é um termo musical. O forró não é música, é um termo. O jazz, como o americano fala, é no sentido de improvisação. O forró nós falamos no sentido de você chamar uma pessoa pra festa. Em vez de dizer festa, diz forró. “Vamos no forró hoje”, então vamos pra farra. Mas aí criaram um estilo de música e botaram esse nome de forró. É bonito o nome, o estilo, mas que não seja uma coisa só. Por exemplo, eu fiz um disco de forró, já faz um tempo, vai ser lançado logo, logo. Fiz em Recife, que foi onde eu fui com 14 anos e fiquei. Toquei bastante lá. Você vai escutar meu disco de forró, tem chorinho, maracatu, frevo, tem de tudo, porque tudo é forró. Forró é festa. E aí você vê os meus discos, tem jazz, clássico, todos os estilos eu toco. Os músicos que tocam comigo tocam também, sem preconceito nenhum. É uma mistura que eu chamo de música universal. É justamente por isso. Quem me escuta tocar flauta, por exemplo, no comecinho eu já comecei a incendiar o forró com a própria flauta, no Ponteio (1967), com Edu Lobo. A gente gravou Ponteio, bem antes de música pronta pra festival, o Edu não fez música pronta.

Ele fez uma música, uma letra bonita, e nós ganhamos o festival, mostrando sem palavras, mostrando na prática. Porque pro público não precisa mostrar nada, o público está aberto. O público é o deus das música, na minha opinião. Sem o público teria só o ar pra respirar, mas o ar, pra música respirar, nada teríamos sem o público. Nunca tive qualquer coisa contrária com o público, a não ser uma pessoa que está às vezes, uma entre 3.000 ou 4.000 pessoas, falando, porque está emocionada. Aí eu digo: “Pode rir mais baixo, nós vamos dar um tempo pra você rir”. Dava um breque pro grupo, aí a pessoa ficava encabulada e não ria. Teve uma que disse: “Eu queria rir, cara”. Ela, na hora, assim como vocês também. Digo: então você escolhe. Tem hora que estou fazendo umas coisas, uns estilos, que você pode rir. Então você fica quieto, quando eu fizer assim (faz sinal de positivo com o polegar) pra você, você ri. Mas segura um pouquinho. Porque agora, nesta hora aqui, não tem condições de poder rir, nunca. Feliz, alegria, ri pra dentro. Não ri pra fora. Pronto. E era sempre um show, um sucesso, a maneira da gente conduzir, falar com o público. A música é isso, meu irmãozinho, estar aqui com vocês, brincando com vocês, vocês se adiantando nas perguntas. Porque é legal, antigamente não era brincadeira, antigamente o cara me entrevistava, eu ia me entrevistar com ele depois de um ou dois anos, a mesma pessoa chegava, cruzava os pés, olhava pro caderno, dizia: “Seu Hermeto Pascoal, me diga uma coisa, quando o senhor nasceu, qual foi o dia e a hora?”. Essa pessoa já tinha me perguntado dois anos antes, um monte de vezes, a mesma história. Eu dizia pra ele: “Olha, eu não morri, você está me perguntando a idade de novo, cara?”. Mas brincando também, né? Quem estava perto morria de rir com ele, e acabava ficando uma amizadinha só.

JM: Você abordou levemente a questão da morte, de viver 200 anos.

HP: Isso, sim, sim, sim.

JM: Estou curioso de saber, você tocou com Belchior?

HP: Não, mas o Belchior era um cara tão comunicativo. Tive um convite uma vez. Foi assim, me lembrei agora, você vê que coisa bonita (passa a mão pela barba). Estou com a barba molhada ainda, estava lavando pra ficar bem cheirosinho pra vocês.

PAS: Lava todo dia?

HP: Toda hora. Belchior, foi quando eu morava aqui em São Paulo, na Aclimação. Me ligaram, tinha uma turma do Ceará que queria falar comigo. Era uma turma nova, ninguém tinha nome ainda. Marcaram, foram na Aclimação. Quando chegou, aí foi que eu conheci o Fagner, o Belchior e outro, doutor…

PAS: Ednardo?

HP: Ednardo, foi também.

JM: Amelinha.

HP: Não, Amelinha não estava.

PAS: Fausto Nilo?

HP: Não, só foram esses aí e outro amigo deles que agora não me lembro o nome…

JM: Deve ser o Rodger.

Hermeto com Fagner no encarte de "Orós" (1977)

Hermeto com Fagner no encarte de “Orós” (1977)

HP: …Se não me engano é advogado, amigo deles. E pra que eles foram lá? Você vê o que é a meninada, né? Foram lá pra gente fazer uma onda, competir, como se fosse um tipo de competição, claro que sadia, musical, com os baianos, com a onda que estava dos baianos. Na música, pra mim, eu nunca acho que música é moda. Música é uma coisa que vai em todas… A música pra mim está em todas as modas, em todos os contextos. Na minha opinião, né? Aí o que aconteceu? Eu agradeci, nós batemos um papo legal, que era justamente o que eles queriam, fazer a turma do Ceará. Disseram: “A gente vai fazer uma inserção com você, Hermeto, porque você é o cara”. Eu digo: “Não, eu agradeço muito a vocês”. Mas é aquela história, quando você convida uma pessoa pra fazer uma coisa ela tem o direito de querer ou não, né? E tem que ser sincera também. E ficamos amigos, eu não quis porque estava com essa ideia do grupo, do meu grupo, que é o que estou fazendo hoje. Estou falando de coisa de 30, 40 anos atrás. Eles aí continuaram e tudo bem, e quando foi daqui a uns tempos o Fagner me convidou pra fazer os arranjos do disco com nome de Orós, que é aquele rio maravilhoso lá…

PAS: Clássico.

HP: …Que seca demais.

JM: O açude.

HP: O açude. Fizemos um disco, eu até ganhei o prêmio de melhor arranjador do ano. Orós, quem quiser, é um disco antológico com Fagner. Só que ele é aquela história… O difícil do músico é ele segurar a qualidade da música. Não é que ele não segurou, é que ele ficou mais comercial. Ele queria fazer uma coisa. Porque um cara que grava um disco que nem Orós não podia chegar assim… Não estou criticando, gente, estou sendo amoroso. Isso pra mim é progressão. Estou sendo de pai pra filho. Mas é o meu jeito de pensar, não estou criticando ele porque ele é isso ou fez isso. Estou só dando a minha opinião. Quando fiz o disco, quando faço um disco pras pessoas, eu dou a minha música, o meu amor pras pessoas, e eu sei que elas gostam também. Mas depois tem aquela coisa dos produtores… Os produtores induzem, induzem de um jeito que você, quando vê, já foi, com o dinheiro. A coisa que eu tinha mais medo era quando eu via o produtor se aproximando de mim. Já ficava de olho pra ver. Tem produtor que chegava pra dizer pra mim que eu podia, em 15 dias, ter o grupo mais famoso do Brasil. “Só que tem umas coisinhas que eu queria te pedir, Hermeto. A roupa, esse jeito do grupo se vestir, e a música, pra você maneirar um pouquinho, tocar uma música mais simples”. Como quem diz “toca brega”, como quem diz isso, né?

PAS: “Toca na boquinha da garrafa…”

HP: Nem isso, quando o cara fala isso pra mim ele está praticamente ofendendo a minha mão. Não adianta, ninguém tirou e ninguém tira a minha maneira, o meu ser, o meu amar que eu quero. Eu não premedito, eu sinto, quando vem, aquela coisa vem. E outra coisa, eu sou 100% intuitivo, 100. Não é qualquer coisa, não, é 100% intuitivo.

JM: Com 8 anos você já era assim, né?, quando começou a tocar, lá em Lagoa da Canoa.

HP: Com 8 anos. Eu criancinha, eu me sentia que eu era uma criança. Tanto que quando saí de casa – quando saí de casa no bom sentido -, quando fui tocar com meu irmão, que fui-me embora pra Recife, foi ideia minha. Meu irmão mais velho, Zé Neto, já Deus levou, tinha, tem um ano só a mais do que eu. E lá o irmão mais velho tomava conta do mais novo.

PAS: Ele era albino também?

HP: Albino também. Era eu e meu irmão só. Nós fomos pra Recife. Muita gente pensa que minha mãe e meu pai ficaram chorando, eu com 14 anos. Mas eles confiavam naquela coisa espiritual, naquela coisa sem religião, na coisa lá do interior. Mamãe dizia: “Meu filho parece um homem”. Assim mesmo. Aí, quando cresci, ela dizia – porque eu sempre fui brincalhão, eu criança era brincalhão -, mamãe dizia, com seus 86 pra 87 já, deitadinha no sofá, umas pessoas na sala de casa, aqui no Rio: “Mas meu filho, nunca vi você ser homem” (risos). Como querer dizer que eu estava brincando. Eu, pra brincar com ela – nem a minha mãe eu perdoei quando ela falou -, digo: “Mãe, a senhora não tem os seus netinhos aí já? Como a senhora diz que eu não sou homem?”. Aí acentuei mais pra ela ficar até com vergonha do que eu falei, com aquele lado do Nordeste. “Não, meu filho, eu estou dizendo isso porque você brinca muito, desde quando você era pequeninho”. Eu não sinto a diferença da minha idade. Não sinto, não é porque não quero, é porque não sinto mesmo. Não sinto, por exemplo, que os dias, como inventaram que Deus disse – como se Deus cometesse uma gafe dessas -, que uns dias são iguais perante os outros. Olha só que gafe todo mundo, as pessoas cometem. Eu criancinha já quando minha avó dizia pra mim: “Meu filho, os dias são iguais perante a Deus”, eu, pequenininho, já sorria, já era ironiquinho. Eu não tinha uma profundidade, porque não era profundo isso, profundidade que eu digo é de antecipar as coisas. Não é que eu não queria, eu nem tinha vontade ainda de achar como é que vai ser amanhã, como vai ser o meu show hoje. Se eu souber, pra mim, não é novidade. Nem vou. Por que eu tenho um público, graças a Deus, grande? Porque o público, quando tem um show do Hermeto… O pessoal agora está tocando músicas do Hermeto e está lotando teatro.

PAS: Você já ouviu Hermeto no elevador?

HP: Não, aí repara. Quando falo, digo, vejo, é porque quero viver o agora, o hoje. Eu tenho que fazer legal, como gosto e sei que faço legal, porque eu não faço o que eu não gosto. Eu faço o que eu gosto. E o amanhã meu é hoje, sempre. É hoje, é hoje, é hoje, é hoje, é hoje. Se eu morrer, vou morrer hoje. Entendeu? No dia que eu morrer é hoje. Aí você perguntou?…

PAS: Se você já ouviu Hermeto no elevador, como naquele dia Tom Jobim ouviu.

JM: Ou mesmo no rádio, ou no táxi.

HP: Não, porque a imprensa não tem gabarito pra isso, não tem alcance. Eu não estou ofendendo a imprensa, estou sincero.

PAS: Pode ofender à vontade, ela merece.

HP: A imprensa devia se sentir envergonhada, como é que eu loto teatro mais do que muita gente? Já estive em teatro com o meu amigão Gilberto Gil assistindo meu show, eu chegar e Gil sentado, e eu sabia que ele tinha um show no mesmo dia, em Brasília. Gilberto Gil é uma pessoa maravilhosa, está sentado, eu vejo ele curtindo o show. Ele ficava vidrado. Gosta muito do meu jeito de falar também, como eu gosto do dele. Quando ele fala as coisas brincando, quando eu brinco também eu não sei se sou chato, mas se eu for, também, que se dane (risos). Estou lá tocando, olho, vejo o Gil, ele já sabe que eu não enxergo, né? “Ih, rapaz, você aqui?” Ele disse: “Não tinha ninguém lá no meu, tinha pouca gente, não teve o show, vim assistir o seu”. Olha que humildade, que pessoa maravilhosa. Por quê? Porque, naquela época, interesses comerciais de empresas que me chamaram pra tocar, pra trabalhar em televisão inclusive, do jeito que me chamaram eu não aceitei. Faziam isso, pegavam os artistas na hora que eu estava fazendo show, botavam no mesmo dia, com divulgação de tudo que era coisa, e eu acabava levando mais público. Não era porque era melhor, gente. É porque as pessoas exageram, ou é 8 ou é 80. A imprensa – até parece que estou me contradizendo -, quando falei aquilo não falei na imprensa em geral. Eu falei naqueles que sabem muito bem o que não fazem pra música, não minha, pra música boa no mundo. Toca a aqueles, não a vocês que vieram aqui me entrevistar. Estou dizendo a quem toca. A carapuça que caia, não estou generalizando a imprensa, não. Sem a imprensa ninguém me conhecia também. Por mais que eu tenha público, o público me conhece. E agora, com a internet, nossa senhora, pra mim está sempre maravilhoso. Estou dizendo pra a pessoa, quando começar a ser músico ou qualquer coisa, encarar as coisas. Quanto mais coisa você encarar, mais você vai fazer a sua coisa melhor, vai ter mais convicção daquilo que você quer fazer.

8Z2A3173

PAS: Você falou que não enxerga, mas enxergou o Gil naquele dia. Quanto você enxerga ou não enxerga?

HP: Não, eu enxergo, eu enxergo pouquinho. O Gil estava perto. É amigo meu, um cara legal, maravilhoso, não precisava nem pedir pra subir no palco. Subiu e ficou assim, como público, curtindo. O Gil é muito musical. Eu tenho o Gil na minha mente como aquele músico… Por isso eu não perdoo os músicos que têm a musicalidade e não fazem, e não exploram. Eu não perdoo, mas não é com raiva, não…

JM: Você fica triste.

HP: Rapaz, o Gil, no tempo da TV Record, o Gil com o violão… Você precisava ver o Gil tocar violão, com o balanço que ele toca… Ele cria, sai tocando. Depois eles formaram uma música pra fazer sucesso, tudo bem, mas que continuasse com aquele nível. Mas os caras foram ficando, ficando, e o tempo foi passando. Não quer dizer que Gil não é músico, o músico Gil é um músico maravilhoso. Só que na prática é igual a um grande time de futebol que não está jogando bola. Precisa voltar a jogar bola.

JM: Precisa voltar a ter gosto pela bola.

HP: É. Mas falo sempre sobre eles, sobre eles todos, os baianos são todos… Não vi nenhum baiano burro, não, cara. Baiano burro, sabe o que acontece com baiano burro? Eles comem aquela coisa amarela que eles fazem, como é nome daquilo ali?

PAS: Acarajé.

HP: Eles comem acarajé botando açúcar por sal. Burro… Aí o sujeito se estivesse aqui dizia: “Não, Hermeto, esse aí nem nasceu ainda”.

JM: Quando Caetano Veloso fala de “hermetismos pascoais”, ou “o albino Hermeto não enxerga mesmo muito bem”…

HP: É outro genial, é outro poeta maravilhoso.

JM: Mas ele se refere à sua música como hermética, como uma música difícil.

HP: Mas o Gil e o Caetano, eles representam demais. São os baianos. O Sivuca até dizia para mim: “A Bahia é a África brasileira”. Ele achava isso. Eu nunca tinha entrado na África, o Sivuca tinha morado na África tocando com Miriam Makeba. Aí estive na África, pô, só não estou na Bahia porque não tem o nome de Bahia. O negão me vendo assim… Hoje não pode dizer negão, esses caras que dizem que não é negão, imagina pra que lugar eu ia mandar esses bobão? Fizeram essa lei boba aí, como se lei tivesse cor, como se alma tivesse cor. O que é isso, gente? Tem cor, tem cores, vocês é que não têm cor. Tem cores na mente pra pensar mais. Mas é o que eu te falo, o preço da goiaba é 120, cara. O preço da goiaba é 120.

JM: Te dou 20 mil réis pra tirar? Três e trezentos?

HP: Mas e depois? Como que você não vai me dar agora, pra você lidar com os juros?

PAS: Já que lembraram Luiz Gonzaga, vou voltar no forró. A bossa nova, pelo menos no início, tirou a sanfona da música brasileira. Portanto, tirou o forró? E você entrou com sanfona e sem sanfona, qual foi seu lugar nisso?

HP: É, pra você ver como é que pode… Você acha que um Tom Jobim ia ter uma ideia dessa, um genial músico que era o Tom Jobim, pra achar que uma sanfona não pode tocar toda e qualquer música? Foi educado, eu não digo levado. Foi educado pelos produtores, que queriam fazer as coisas mais comerciais. Foram eles que levaram o Tom a ser educado. Musicalmente, pra ele, ele estava fazendo uma coisa que… Eu até creio, eu sinto que ele poderia estar um dia num canto e dizer: “Vocês estão exagerando, a bossa nova que eu queria, que eu pensei”. Tenho certeza que ele falou isso. Mas é o que estou te falando, o que tinha ao redor dele, pra ele se firmar cada vez mais, não estava à altura dele. Ele não era assim como o Hermeto, teimoso. Tom era mais educado do que eu. Por isso que ele cedeu. Mas pelo menos ele viu uma pessoa que ele não procurava, apareceu dentro do elevador aquela pessoa que ele desabafou um pouquinho, e falou, e eu sei que é verdade, eu sinto. Tom Jobim agora está ajudando outros compositores intuitivamente, Deus dá a permissão pra isso, tenho certeza absoluta. E muita coisa que ele gostaria de fazer, como outros compositores que se foram também e que vão ser explorados a vida toda… Tocar música do Villa-Lobos todo dia e toda hora cansa o espírito do Villa-Lobos. Villa-Lobos não quer mais isso, e os caras ficam fazendo isso, isso e isso, esse modismo pra aparecer. O cara vai tocar sinfônica, vai tocar em tal lugar, quando vai ver, os mesmos compositores, tendo compositores jovens, no Brasil mesmo, no mundo todo, fazendo coisas maravilhosas com sinfônica, com tudo. Eu, pra ter a chance que eu tenho, pequena, com a sinfônica, tive que mostrar, tive que ser convidado, e eu aceitei, porque eu sabia que ia ficar. Então, quando eu respondo uma coisa pra vocês, eu falo outras também.

 

PAS: Dizem que você não enxerga muito bem, mas a gente queria muito saber o que você está enxergando da atual situação política do Brasil.

HP: Bom, a situação política, eu vou falar, do mundo, é aquilo que eu te falo…

JM: Você já tinha visto, na sua vida de 81 anos, um período como este?

HP: Não, por exemplo, com 81 anos – agora já é hoje -, eu nunca vi falar. E eu me lembro que eu alcancei o tempo da ditadura. Era o tempo que eu estava assim num lugar, por exemplo, tocando na Argentina. Eles me chamam hoje de Maradona, comparando o sucesso que eu sou na Argentina. Estava na rua de repente na Argentina, tinha lugares que, pra ir pro teatro, você tinha que passar pelos lugares com mandado. Como aqui no Brasil. Só que quero dizer pra você, aquela época era ruim, coitados dos caras que morreram, que mataram… Aí não vou nesse assunto, porque a minha política, digo sempre, é a música. Não me meto em política. Mas eu sou um cidadão também. O que eu sinto é que o mundo está virado, cara, não é só aqui, não. Mas aqui, como nós somos brasileiros e falamos português e entendemos… É muito generalizado, no mundo inteiro, mas pior é o que estão descobrindo agora, e muita gente que está sendo respeitada, que já morreu, e eram os precursores disso. E já morreram. Estou dizendo porque tenho certeza espiritual que eles sabem disso. Deixaram muita gente. Não é normal o Brasil ser esse país que é, com essa beleza…

PAS: Com esses músicos…

HP: Ser um dos países mais duros do mundo. Não, não, por quê? Quem estava com o dinheiro na mão, tirou da mão e botou no bolso. Botou no bolso, foi juntando, guardando. Quem guarda dinheiro, pra mim, não demora, demora, mas vai ser guardado. Está todo mundo guardando. O que quero dizer pra vocês é que isso tudo que está acontecendo, vamos esperar, eu não vou alcançar…

PAS: Ué, 200 anos!

HP: …Vocês não vão alcançar também, porque ninguém alcança, porque não vai acabar isso. Isso tem influência. Isso é uma doença. Dinheiro é uma doença. Isso tudo é feito por causa de dinheiro. Dinheiro é uma doença. Como é que o cara é tão bom, estuda, se forma, e guarda bilhões, sabendo que não vai viver 100 anos, por exemplo? Se fosse pra gastar, nem ele vai poder gastar. Ora. O que é que você tem que fazer com isso? Tem que deixar. Eu achei, mesmo assim, que está melhorando, pelo menos aparentemente. Estão descobrindo os nomes. Só que quando descobre o nome de uma pessoa, aquele que descobre também vai depois. Você viu o que acontece? O que botou os outros já está lá. Eu acho que ele fez isso exatamente pra se encontrar depois, “pode deixar que eu estou indo também”. Porque todo mundo sabe. Todo mundo sabe o que fez. Mas a mim não, pra mim vocês não fizeram nada. Claro que não sou egoísta, não quero só pra mim. Mas dentro da minha área, da música, até eu me aproveito. Porque a música também não é brincadeira, a música se aproveita dessas coisas. Pra fazer, pra brincar, em vez de chegar e eu ficar revoltado, ir pra rua, gritar, quebrar o vidro do cara que está começando uma loja? É, senão pior, igual aos caras que estão fazendo o errado. Com um erro você não corrige o outro erro. Soma o erro, né não?

JM: O Miles Davis nunca deu o crédito de Igrejinha pra você, ou deu?

HP: Houve uma onda lá… Quando eu vi que era onda… Miles Davis era um cara rico, cheio de tudo.

JM: Airto Moreira falou que a música era sua.

 

HP: Airto falou, mas eu não falei, eu não confirmei. É só pedir as provas pro Airto, pede pra ver se ele dá as provas. Eu defendo o Miles. Eu defendo, porque conheci o Miles pessoalmente. Miles Davis não precisa de dinheiro. Sabe o que eu fiz pra acabar com a festa? Naquela época eu tinha umas 4.000 músicas. Eu pedi pra dizer pro advogado: “Olha, essas músicas eu tenho, se o Miles Davis quiser…”. Quando teve essa confusão o Miles estava vivo ainda. Eu disse: “Doutor, não é por causa de duas músicas. Se eu, dono das músicas, não estou brigando por elas, quem quer dinheiro? Eu não quero dinheiro”.

JM: Eu sei a história mais ou menos, o Herbie Hancock e o Wayne Shorter entraram com uma ação lá nos Estados Unidos, pra entrar dinheiro pra você.

HP: Sim, mas eu não pedi. Eu não pedi. Eles tinham raiva do Miles Davis, sabe por quê? Miles Davis gravou, esqueci agora, no disco dele uma música popular mexicana… Ele botou no nome dele. O Miles era um cara tão desligado, assim como eu. Por exemplo, quem fizer minha produção, a gente que é músico de verdade não se liga pra dinheiro. O Miles não ligava. A pessoa que cuida da produção tem interesse em ganhar mais dinheiro. Como o Miles era um nome, era aquele nome, e o mexicano era como… como chama, pra todo mundo a música já tá liberada?

PAS: Domínio público.

HP: Isso, domínio público. Que aconteceu? Ele não botou o nome, a produção dele não botou o nome, e foi pro cara que era o dono da casa. Se alguém faz uma coisa na sua casa, o que sai logo? Que é o Hermeto, está na casa do Hermeto. Aí é que vem a coisa. Aí que falei, pra acabar. Eles queriam fazer uma onda, como já sentiram que eu estava sendo muito bem forte nos Estados Unidos… Tanto é que agora vocês têm que me chamar de doutor. Como brasileiro, ganhar um prêmio desses nos Estados Unidos, minha gente…

JM: Honoris causa.

HP: Ninguém, não é qualquer um que ganha. Então, pelo merecimento, pela música. “Ah, mas é difícil.” É difícil, não, senhor. Pra fazer as coisas, quando se quer fazer, em qualquer área, é mais difícil sempre. A gente veio com uma missão na Terra. Você não vê os corredores? Os caras se explodem pra ganhar uma corrida. Isso é fácil? Não é, não. Agora, a nossa corrida, o corredor pelo menos tem uma chance, quando tem uma certa idade não corre mais. E na música, na imprensa, enquanto é vivo a gente vai rodando. E não tem moleza, não.

(Entrevista publicada originalmente na edição 959 de CartaCapital.)

  1. Rodrigo Responder

    Excelentes respostas do Hermeto, poderia estar cansado de responder perguntas desse tipo, sobre ser albino, ao invés de falar sobre seu disco novo que vai sair, a criação…. Mas não, ouviu as mesmas perguntas de sempre e respondeu com todo sentimento. Sabe que precisa ensinar… Grande Hermeto.

  2. Senô Bezerra Responder

    entrevista incrível

Deixe seu comentário:

*

captcha *