J.Carlos, que entre 1902 e 1950, publicou mais de 50 mil desenhos., está em cartaz no Instituto Moreira Salles

O Instituto Moreira Salles exibe 300 originais de um dos maiores cartunistas da história do Brasil

Em fevereiro de 1943, em uma ilustração para a capa da revista Careta, usando grafite, nanquim, aquarela, guache e tinta metaloácida sobre papel, J.Carlos desenhou um grupo de cidadãos passando frio numa montanha nevada, tendo a iluminá-los e aquecê-los somente uma vela com o símbolo do nazismo. Os tempos passam, mas a metáfora de J.Carlos segue assustadoramente atual: o calor da vela é ilusório, sua iluminação é lúgubre, mas basta uma dificuldade para as populações cederem às tentações do autoritarismo.

O refinamento, a antevisão e a argúcia do cartunista J.Carlos, um dos maiores da história da arte brasileira, nunca envelhecem. É possível saber os motivos com o desembarque maciço de uma série inédita de 300 de seus originais à Avenida Paulista a partir deste dia 17, às 18 horas, no Instituto Moreira Salles. Com curadoria do também cartunista Cássio Loredano, de Julia Kovensky e de Paulo Roberto Pires, a obra de José Carlos de Brito e Cunha (1884-1950), o J.Carlos, ressurge como uma lufada de inspiração para os tempos atuais.

Entre 1902 e 1950, J.Carlos pontificou entre os artistas do traço do País. Publicou mais de 50 mil desenhos. Estetizou a ética subalterna da classe média e as tramoias dos poderosos com verve e brilhantismo. As causas parecem eternas – em um dos seus cartuns, dois sujeitos observam o País em chamas como se analisassem os lucros que poderiam auferir com as políticas de terra arrasada. 

A exposição está organizada em quatro seções. A primeira é dedicada ao artesanato de J.Carlos, composta de letras, vinhetas, rascunhos e logotipos. Estão presentes, por exemplo, as capitulares, vinhetas e diagramações que o artista criava para acompanhar os textos literários nas revistas. O segundo núcleo temático examina a crônica satírica da vida política

brasileira, especialmente nos governos Dutra e Vargas, além da vida cotidiana no Rio de Janeiro. Na terceira seção, J. Carlos faz o comentário jornalístico (e antifascista) da Segunda Guerra Mundial, que esquadrinhou em uma série de desenhos para uma revista. O segmento final é dedicado ao J. Carlos menos conhecido, o de desenhista para crianças, com HQs publicadas semanalmente na revista O Tico-Tico. Pouca gente sabe, mas foi de um desenho dele que nasceu um dos personagens de Walt Disney, o Zé Carioca. Disney e J.Carlos se conheceram no início dos anos 1940 e o norte-americano chegou a convidá-lo para trabalhar nos seus estúdios. Evidentemente, o brasileiro nunca recebeu o crédito pelo personagem.

J.Carlos – Originais. IMS Paulista (Avenida Paulista, 2424). Inauguração dia 17, a partir das 18 horas. Grátis.

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome