Bruno Schulz
O escritor polonês Bruno Schulz, que tem seu livro Lojas de Canela lançado em nova edição no Brasil

A EDITORA 34 LANÇA UMA CAPRICHOSA EDIÇÃO DO LIVRO DE ESTREIA DO POLONÊS BRUNO SCHULZ, QUE FOI COMPARADO A KAFKA

A obra do escritor e ilustrador polonês Bruno Schulz (1892-1942), que chegou a ser comparada à de Franz Kafka, é uma viagem pela angústia da percepção, um diagnóstico que o autor reparte com seus leitores de forma inapelável. Em busca de descrever uma certa asfixia do espírito humano nas engrenagens de suas células de conforto (a família, a casa, o casamento, o grupo de amigos, a cidade), Schulz reúne em sua obra-chave (e também sua estreia), o livro de contos Lojas de Canela e Outras Narrativas (1934), um fabuloso mundo de detalhes e miragens do cotidiano.  

“Aqui, os acontecimentos não são fantasmas efêmeros da superfície, aqui eles têm raízes aprofundadas até o âmago das coisas”, escreveu o autor polonês no conto República dos Sonhos. Há diversos contos no volume que exemplificam essa determinação de Schulz, mas talvez um dos mais efetivos seja O Sr. Karol, a não-história de um homem de 30 e poucos anos que experimenta uma sensação de liberdade temporária com a viagem da mulher e dos filhos. O corpo do Sr. Karol, livre do condicionamento da rotina, desfruta do período de liberação de uma maneira tão intensa que logo sobrevém a culpa, encarnada nas coisas materiais – os armários, a cozinha, as paredes, a casa toda. De algum modo, o conto parece se conectar com as visões de Cortázar, com um princípio de realismo fantástico.

Schulz criou toda sua literatura em pouco mais de uma década, quando sobreveio o pesadelo nazista na Polônia. Sua obra (que quase se perdeu foi resgatada posteriormente) se relaciona umbilicalmente com a cidade onde viveu, Drohobycz, na Galícia (quando era parte do império austro-húngaro). Angariou admiradores como Isaac Bashevis Singer, John Updike e Philip Roth, entre muitos outros. O volume editado pela Editora 34 compreende, além de Lojas de Canela, cinco contos que não figuram em sua segunda obra, Sanatório sob o Signo da Clepsidra. Entre eles, um texto inédito em português, A Primavera

Sua literatura descreve a ambiência como expressão colada ao espírito, do xadrez dos pavimentos à textura dos edredons e o filtro solar das cortinas e “desenhos fantásticos de fendas e fissuras”, além de animais e insetos. Essas ornamentações narrativas se acondicionam nas situações e nos personagens, criando uma atmosfera poética de grande impacto, cheia de “homens atordoados e sem nenhum pensamento na cabeça”. Em 19 de novembro de 1942, Bruno Schulz foi assassinado no meio da rua por um oficial alemão.

Lojas de Canela e Outras Narrativas. De Bruno Schulz. Tradução de Henryk Siewierski. Posfácio de Angelo Maria Ripellino. Editora 34, 224 páginas, 49 reais. 

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome