Erasmo Carlos lança o álbum Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba…
Erasmo Carlos, o roqueiro que deu partida à jovem guarda, recupera alguns dos sambas que compôs em seu novo álbum Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba… Foto: Guto Costa

Num novo álbum, o roqueiro que deu partida à jovem guarda recupera alguns dos sambas que compôs ao longo da carreira

Na capa algo caricatural de Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba…, o roqueiro Erasmo Carlos toca meio desajeitadamente um pandeiro. Por trás da caricatura, existe uma longa e bonita história. O passado sambista remonta à inédita Maria e o Samba, de 1959, quando o futuro parceiro Roberto Carlos tentava se firmar como bossa-novista e interpretou a composição de Erasmo ao vivo na Boate Plaza, em Copacabana, no Rio de Janeiro. A coisa melhor/ desse mundo é ouvir/ um samba com inspiração/ ao compasso do meu coração, diz a canção, agora recuperada.

Erasmo Carlos em Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba…
Erasmo Carlos em Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba…

Historicamente, Erasmo e Roberto só alcançaram sucesso e fama a partir da adesão ao rock, a partir de 1963, mas a matriz de samba nunca esteve ausente, sobretudo na obra de Erasmo. Conforme os jovem-guardistas passaram a ser criticados pelo uso de guitarras tidas como alienadas e alienígenas pelo bloco da nascente MPB, Erasmo testou modificações sonoras que incorporassem o samba ao rock. Para os Golden Boys, em 1965, compôs (com Roberto) Toque Balanço, Moço!, que se adequava ao subgênero da bossa chamado então de sambalanço (e/ou samba-jazz) e foi gravado no ano seguinte por Elza Soares.

Dessas experiências nasceria o gênero samba-rock, principalmente pelas mãos do amigo e parceiro Jorge Ben, com quem Erasmo chegou a morar em 1967 e com quem ensaiou a criação de um estilo que se chamaria jovem samba, em contraponto à jovem guarda. O curto CD não chega a se debruçar sobre esse período, mas inclui exemplares históricos do samba-rock de Erasmo, como Moço (gravado em 1972 por Betinho na trilha sonora da novela global O Bofe), Mané João (lançado por ele em 1972) e Samba da Preguiça (cantado no palco por Nara Leão e lançado em 1973 pelo Trio Mocotó, o grupo que acompanhara Jorge Ben na gênese do gênero). 

Outra parte do disco é ocupada por experiências mais recentes, resultantes do fascínio de gerações mais jovens pelo samba-rock à la Erasmo Carlos, como as composições irreverentes que ele fez para Max de Castro (A História da Morena Nua Que Abalou as Estruturas do Esplendor do Carnaval, de 2002) e Clube do Balanço (Sem Anjo na Multidão, de 2004, um estudo pioneiro sobre os abusos de silicone, botox etc. na carnavalesca estética brasileira). Como convém à hibridez natural de seus sambas, Erasmo elabora para as novas versões arranjos modernos, que casam instrumentos de samba e de rock. O resultado é harmônico como uma (boa) escola de samba

Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba… De Erasmo Carlos. Som Livre.

 

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome