O escritor Mário de Andrade foi crítico e vítima dos preconceitos raciais
O escritor Mário de Andrade foi crítico e vítima dos preconceitos raciais - Foto Divulgação
A reedição de Ensaio sobre Música Brasileira, de 1928, amplia o debate sobre as bases da arte popular

 

Em 1928, Mário de Andrade publicou duas obras que são cruciais para o entendimento do espírito nacional: Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter e Ensaio sobre Música Brasileira. Em ambos os livros, são erigidos tratados sobre a questão da identidade, mas a rapsódia, como ele chamou o romance Macunaíma, foi de longe o que alcançou a maior repercussão.

Agora, quase um século depois, a reedição pela Edusp de Ensaio sobre Música Brasileira num volume enriquecido por notas, textos críticos e acréscimos preciosos (um trabalho coordenado pela musicóloga Flávia Camargo Toni) amplia a compreensão acerca de um dos mais abrangentes estudos sobre as questões da musicalidade brasileira.

No Ensaio sobre Música Brasileira, o fulcro de Mário está no argumento intelectual de qual deve ser a postura para que o Brasil possa desfrutar de todos os elementos que compõem sua diversidade étnica e construir uma arte musical original, nova e vibrante, sem purismos desnecessários. No resgate e no exame de melodias populares, como a cantiga de roda Sambalelê, o acalanto João Cambuête e o canto de trabalho de usina Ai, Baiana (entre fandangos, maracatus e cocos diversos), Mário estabelece relações com fontes inesperadas, como o folclore russo e peruano, demonstrando que a pureza na chamada raiz popular é uma balela à qual não é necessário se aferrar. O importante, em sua concepção, é a noção de valor nacional. “Uma arte nacional não se faz com escolha discricionária e diletante de elementos: uma arte nacional já está feita na inconsciência do povo”, ele disse.

“Já afirmei que não sou folclorista. O folclore hoje é uma ciência, dizem… Me interesso pela ciência, porém não tenho capacidade pra ser cientista. Minha intenção é fornecer documentação pra música e não passar 20 anos escrevendo três volumes sobre a expressão fisionômica do lagarto…”, escreveu o autor no Diário Nacional, em 8 de janeiro de 1929. Basicamente, ele explica tudo aí: Ensaio sobre Música Brasileira não é direcionado a tecnocratas, destina-se menos aos experts do que a alargar a visão daqueles que têm a música como parte do seu ofício cotidiano.

Mário propõe, em seu ensaio, uma abertura contemporânea para o debate da música, um horizonte mais amplo e suave do que os embates acadêmicos geralmente suscitam. Chama a atenção a atualidade do texto, além do vaivém em torno de questões estéticas recorrentes. “Todo ecletismo tem isso de odioso, obriga o indivíduo a possuir uma porção de sinceridades, uma para cada caso, e consequentemente nenhuma verdade individual”.

SERVIÇO
Ensaio sobre Música Brasileira. De Mário de Andrade. Edusp, 1928, 56 reais, 296 págs.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome